Histórias de uma portuga em movimento.
07
Mai 07
publicado por parislasvegas, às 10:31link do post

Domingo  sem surpresas nas duas eleições que seguíamos: na Madeira, como sempre, o PSD a conseguir uma maioria superior a 60%, e aqui em França a vitória de Sarkozy por 53%.

 

Relativamente à Madeira até tenho vergonha de explicar a quem vê a coisa de fora que aquilo é controlado por uma espécie de Mobutu (que me desculpe o espírito do dito pela comparação) truculento que lá consegue, a bem ou a mal, convencer aquela gente toda a votar nele (gente que, diga-se,não tem grande nível de educação). Assim, mesmo sem recorrer a falsificações eleitorais (como quem vê de fora assume) o resultado é sempre garantido pela miséria dos ignorantes que votam no Senhor Doutor aliada à ganância dos dominantes que votam do Alberto João porque não querem perder o tacho. De resto, se os Madeirenses gostam tanto do homem, que fiquem lá com ele. Não lhe vá dar na cabeça reformar-se a vir para o Continente tentar armar-se em Mussolini com sotaque.

 

Aqui em França a coisa pia mais fino. Na minha opinião, o facto que explicou a derrota da esquerda nestas eleições foi muito simples: falta de ideias. Talvez em Portugal isso não importe muito -  desde que o candidato seja engenheiro diplomado e inscrito na ordem dos engenheiros, já pode falar, falar e não dizer nada, que ninguém se interessa. Os senhores doutores falam tãão bem (até temos um PR que é "professor"e tudo!) que está-se tudo cagando para o conteúdo do discurso. Pois aqui não. Quando os candidatos alinhavam duas promessas seguidas, têm que justificar, argumentar, explicar de onde vão retirar o dinheiro para baixar os impostos, ou aumentar o salário mínimo. E o único que tinha capacidade técnica para o fazer foi Sarkozy .

 

Por outro lado é triste chegarmos ao ponto de ter eleitorado de direita, centro e esquerda a votar na mesma pessoa só porque é o único que pensa. É o desespero de querer ter um projecto de futuro nesta Europa moribunda que levou 53% dos franceses a optar pelo candidato agora vencedor.

 

Outro aspecto triste é o facto de Ségolène Royal se ter defendido da derrota com o argumento de que a sociedade francesa é muito conservadora e ainda não estar preparada para dar a Presidência a uma mulher. Enquanto mulher, este tipo de argumento ofende-me. Descartar a própria incompetência e, no fundo, a incompetência crassa do aparelho do Partido, com o argumento do machismo é um golpe baixo. Isso é verdadeiramente "bater à menina". Puxar cabelos em vez de dar um murro bem assente nas ventas. E eu não aprecio mariquices.


De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
Maio 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO