Histórias de uma portuga em movimento.
28
Mar 07
publicado por parislasvegas, às 17:01link do post | comentar | ver comentários (8)

Ainda agora cá cheguei e já estou de partida mental. Ainda não sei se vou, quando, para onde e como, mas a minha cabeça já cá não está, ansiosa por partir, mas também ansiosa por aproveitar todos os dias ao máximo, até ao último.

A única coisa que não está a dar muito jeito é esta barrigona de seis meses, o cansaço e a soneira filha-da-puta . Já não posso aproveitar tanta coisa. Há um lado inteiro de Paris que não vou conhecer e que já não vou viver (talvez mais tarde???). Tenho pena e ao mesmo tempo não tenho pena nenhuma. Eu, quando mudo, é sempre para melhor, nem que seja a única pessoa a pensar isso, nem que seja só eu que vejo o lado positivo.

Nesta viagem, como nas que a antecederam, não estou sozinha. Mas pela primeira vez, tenho que pensar numa série de coisas que nunca me ocorriam, porque o Kiko é um item adicional na nossa bagagem.

Uma das vantagens do caos que se instalou na minha cabeça é que não estou a atravessar nenhuma crise de medos de parir - tenho mais em que pensar. Orçamentos, mudanças, contratos a rescindir outros a fazer, regulamentos veterinários, transporte dos animais, mudança das contas bancárias. UFFFF ... e ainda nem há dois anos passei por tudo isto. Hei-de estar a parir o Kiko e a fazer contas aos caixotes que preciso. Provavelmente não me irei passar para o outro lado porque tenho a ajuda fortíssima do meu homem nas coisas da casa e da minha mãe com o Kiko . No fim das contas as mudanças não doem nada e acabamos por nos ver noutro lado do mundo, com a nossa tralha toda por organizar, outra vez (mais uma).

Depois é só começar tudo de novo, desta vez com ainda mais gozo porque teremos um pezinho de couve" (como dizem os franceses) para alegrar os nossos dias e tornar as nossas explorações ainda mais interessantes. Mais do que tudo, alegra-me pensar que posso dar ao meu filho três anos com tranquilidade, em vez de o criar numa das cidades mais poluídas da Europa, entregue aos cuidados de uma estranha. Alegra-me que o Kiko tenha a possibilidade de dizer as primeiras palavras em português, em lugar do provável russo. Acima de tudo, entusiasma-me a possibilidade de que ele me reconheça e identifique como mãe - a única.

Acho que não posso pedir mais do que isso.

 


mais sobre mim
Março 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
21
22
23
24

25
26
27
29
30
31


arquivos
2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO